segunda-feira, 13 de agosto de 2012

MULHERES QUE PROVOCAM e MANIPULAM


MULHERES QUE PROVOCAM e MANIPULAM

Suely Pavan Zanella
Acabo de descobrir de fonte segura, mas que não posso mencionar aqui, que cerca de 50% das denúncias contra homens referentes a violência doméstica e pedofilia são falsas, ou seja, objetos de pura manipulação feminina.
Este tipo de mulher quer se livrar ou obter benefícios de seu companheiro e manipula uma situação para tal.
Há mulheres que provocam seus companheiros de tal forma os instigando para o ataque que não resta a eles senão entregar-se aos seus desejos e dando-lhes o que elas querem: socos e agressão física.
Nestes momentos, os homens devem duplicar a sua atenção e saírem do campo tenso provocado por este tipo de mulher extremamente perigosa. O melhor é que eles tomem um banho, tranquem-se num cômodo com um tapa ouvidos ou saiam para dar uma volta no quarteirão. E não bebam em nenhuma hipótese.  O objetivo é o de acalmar a fera manipuladora sem complementar de forma alguma os seus apelos. Mas antes é preciso que o homem perceba que está sendo alvo de manipulação por parte da mulher.
Se um homem agredir uma mulher que o provoca o único prejudicado será ele mesmo. Já que ouvirá a seguinte frase: Vou te enquadrar na Lei Maria da Penha.
Embora juristas e psicólogos judiciais em função de sua experiência saibam diferenciar o que é agressão contra uma mulher e responder pelo ato de ser agredido, todo cuidado é pouco. Muitas vezes a aparência de uma mulher perigosa e manipuladora lembra a de um anjo.  A aparência dócil ou de uma mulher muito bonita pode confundir os mais inexperientes. E além do mais a fama de ser um agressor pode prejudicar carreiras e a relação com os filhos.
Para se livrarem de um companheiro que não querem mais e deles obter algum tipo de vantagem, normalmente financeira, algumas contam com a colaboração de amigas e mães.
Já vi cenas tórridas nas ruas e locais de trabalho do homem no qual a mulher chegou o xingando e o mesmo não reagiu. Por mais absurda que a cena possa parecer, um homem deve agir assim, pelos motivos citados anteriormente.
Algumas mulheres mais pérfidas usam os próprios filhos neste jogo manipulativo e os treinam para dizer que o pai é um pedófilo.
Talvez algumas pessoas não acostumadas à capacidade da mente humana em manipular e desta forma obter do outro aquilo que querem, achem este meu texto exagerado. Mas não é! Situações como as que cito aqui são mais corriqueiras do que parecem, vejam que o índice é 50%! Ou seja, tem mulher de monte usando a Lei Maria da Penha, não para se defender de um agressor, mas sim montando fatos para que o mesmo seja enquadrado como tal. E muitos homens reagindo (veja, é re agir) quando sentem-se ofendidos e agredidos.
Uma das qualidades negativas do Universo Feminino é agir em silencio, na calada da noite, de forma manipulativa e mordaz. O Universo Masculino ao contrário é mais objetivo e impulsivo.
A mulher que faz isto usa a Lei contra ela mesma, pois promove a desconfiança: Será que o agressor é um agressor mesmo, ou reagiu a uma provocação insistente? Será que o pedófilo assediou um filho, ou a criança foi usada para demonstrar um fato inexistente?
Todo o cuidado é pouco, e nestes casos as generalidades são perigosas. É sempre preciso apurar e investigar os fatos com cautela e com a experiência necessária.
Agora, ser ingênuo e achar que mulheres perigosas e manipulativas não existem, também é burrice em alto grau!

Um comentário:

joao carlos nogueira soares disse...

oJustiça Aplica a Lei e Protege Criminoso
Lei Maria da Penha (Quando a Denuncia verbal de ameaça de morte é falsa).
O criminoso passa a ser vitima protegido pela justiça e a vitima a ser criminoso, vigiada pela justiça até que se prove o contrário.
A suposta vitima usou a lei para se defender dos seus crimes e principalmente por medo de perder a guarda da filha.
A aplicação da lei é rápida para condenar ou rotular e demasiadamente lenta para ouvir a defesa.
A suposta vitima quando contrariada se desequilibra e tem características de psicopata.
Estou sendo acusado por minha ex-companheira que bloqueia a minha relação com a minha filha (5 anos); E sua denuncia tem base na sua defesa para justificar seus crimes: Após ter me agredido fisicamente, ter tentado me matar com um facão e principalmente por ter sido denunciada por mim ao conselho tutelar (Alienação Parental - Intimidação por Agressão Física ). Tenho provas – Depoimento da minha filha em vídeo que mostra que ela já está traumatizada pelas agressões.
Não dá para ficar calado.
Ninguém pode previamente ser condenado ou rotulado de perigoso como se fosse um criminoso sem ter uma única chance de se defender.
A lei não pode privilegiar ou descriminar o ser humano pelo sexo, pela cor ou qualquer outra característica. Mas deve ser neutra, observando que antes de qualquer característica que tenhamos somos um ser humano.
Observando que mesmo depois de ter feito um BO no dia 2/12/2012, onde a policia veio até o local do crime constatando a agressão a minha pessoa e no dia 5/12/2012, eu ter feito uma denuncia ao conselho tutelar; No dia 10/12/2012 ela foi até a delegacia da mulher e me denunciou dizendo que eu ameaçava ela de morte caso ela não voltasse para mim; E no dia 18/12/2012 eu já recebia a Intimação, sendo previamente rotulado de perigoso e agressivo; Com esta medida de proteção dada a ela eu também indiretamente fui impedido de ver a minha filha por ter que ficar a 500 metros da minha ex-companheira.
Se eu fosse violento como teria recebido as agressões sem revidar?
Após a denuncia dela (Lei Maria da Penha) sem que eu fosse chamado para me defender, e sem averiguar a consistência das informações, fui intimado a ficar a 500 metros de distância dela, com isto eu também fui impedido de ver ou ter contato com a minha filha que tem apenas 5 anos de idade; Com isto ela conseguiu o que ela queria, bloquear o meu contato com a minha filha.
Nesta guerra não há vitoriosos, só perdedores.